domingo, 14 de setembro de 2008

Se liga que é hora da revisão.

Acreditar no quê?
A construção do conhecimento sempre foi um tópico chave na história do pensamento humano. Um afresco que eu acho uma das obras de arte mais interessantes, ilutra de maneira fenomenal as idéias de platão e aristóteles. Em "Academia de Atenas" os dois filósofos são representados de maneira a indicar onde está a Verdade. Platão aponta para o céu, em referência ao mundo das idéias, e aristóteles aponta a Terra, o mundo à sua volta.

Platão: "The truth is outside!"
Aristóteles: "The truth is inside, bitch!"

O modo de pensar o conhecimento desses dois representa, de certa forma, todas as correntes de estudo epistemológico daí pra frente. Pelo menos até Kant tentar unificar racionalismo e empirismo. Platão, resgatado por Santo Agostinho no fim da antiguidade clássica ajudou a fortalecer a Fé como ferramenta para conhecer o mundo através da iluminação. Não sei se é extrapolar, mas vejo uma forte ligação entre o papel da intervenção divina na mente do teólogo com o da razão dentro da filosofia de Descartes. Ambas são vistas como o único veículo para se chegar à Verdade. Alguns séculos depois, Tomás de Aquino retoma a episteme platônica. Ele defende que a Verdade pode ser apreendida pela observação do mundo natural, formando um saber sensível e contemplativo. E qual o resultado disso? Fogueira para os cientistas!

Sou adepto da idéia de que a idade média é culpa de Aristoteles. Baseado nele o pensamento medieval foi avesso à conjecturas e hipóteses que de algum modo contestassem a suposta verdade que era apreendida pelos sentidos. Mas mostrar pelos sentidos, no mundo real, alguma coisa nova também era desencorajado (muito bem desencorajado). Os carinhas da idade média tinham esse defeito que muitos alunos de Universidade hoje têm: Acreditam em qualquer coisa, desde que seja dita por alguém de autoridade.

Muita coisa rolou de lá pra cá (coisas que eu não estudei ainda...), mas adquirir conhecimento confiável ainda é um problema. Até piorou com o volume imenso de informação disponível. Acreditar no quê? O puro pensamento pode se enganar, os sentidos podem (e frequentemente o fazem) nos enganar. A memória é cheia de buracos e falhas, não dá sequer pra confiar no que recordamos saber. Autoridades erram, muitas vezes aliás.
Então, como faz?


F
rase do dia: "Não acrediteis numa coisa, apenas por ouvir dizer. Não acrediteis na fé das tradições, só porque foram transmitidas por longas gerações. Não acrediteis numa coisa só porque é dita e repetida por muita gente. Não acrediteis numa coisa só pelo testemunho de um sábio antigo. Não acrediteis numa coisa só porque as probabilidades a favorecem ou porque um longo hábito vos leva a te-la por verdadeira. Não acrediteis no que imaginastes, pensando que um ser superior a revelou. Não acrediteis em coisa alguma apenas pela autoridade dos mais velhos ou dos vossos instrutores. Mas, aquilo que vós mesmos experimentastes, provastes e reconhecestes verdadeiro, aquilo que corresponde ao vosso bem e ao bem dos outros. Isso deveis aceitar, e por isso moldar a vossa conduta." - Buda

8 comentários:

Comentador Fiel disse...

pois é, depois que eu me toquei que com o método científico você nunca acha a verdade e sim a confirmação da sua hipótese eu não sei mais no que acreditar.

John, O Lobo disse...

Mas na verdade nem me preocupo muito com isso. A verossimilhança acaba sendo mais importante que a verdade. Todo conhecimento acaba sendo só a tradução do mundo externo pra nossas mentes. Aí acaba sendo só questão de quem consegue convencer melhor.

lecram disse...

vai lá john sofista!

Comentador Fiel disse...

"Aí acaba sendo só questão de quem consegue convencer melhor."

wxato

Nanda disse...

Sofista?? Eita...

"A memória é cheia de buracos e falhas, não dá sequer pra confiar no que recordamos saber. Autoridades erram, muitas vezes aliás.
Então, como faz?"

Essa parte ficou ótima pra encerrar o texto.

lecram disse...

john john sofista nãoo : P
brincando com o texto só!

outra coisa, seria um leptop ali na mão dele? Sempre soube que eles usavam uma tecnologia a mais por trás da idéias... haha

RamX disse...

é, quem convence melhor vence. Ja tinha reparado nisso a mto tempo.

Por falar em palavra de autoridade um professor meu de "Teorias da Aprendizagem" falou mais ou menos o seguinte.

"A gente acredita que o inicio do pensamento, ou pelo menos do GRANDE pensamento, começou na Grécia Antiga. Mas se você parar bem pra pensar, existe um povo mais antigo que os Gregos e que fez coisas que até hoje tentamos explicar como fizeram: Egipicios"

cara, eu to pensando nisso que ele falou até hoje!! Não tenho argumento pra usar contra ele e nem a favor dele...mas o que ele falou faz algum sentido. Será que é verdade!? kkkkk

Rábula disse...

Sou adepto da idéia de que a idade média é culpa de Aristoteles.

eu voto nisso.


E quem se importa com a verdade? A verdade é o que você consegue provar.