sábado, 27 de setembro de 2008

Teoria Quântica dos Relacionamentos

A Teoria Quântica dos Relacionamentos rejeita qualquer lógica linear em um relacionamento amoroso. Assumimos que todos os momentos antes, durante e depois de um namoro podem ser quantizados em pacotes com valores lógicos de dar/não-dar prazer, sendo que o sucesso ou fracasso de um namoro é fundamentalmente um cálculo probabilístico da concentração desses pacotes que uma pessoa pode oferecer.
Minha teoria dos relacionamentos baseia-se em três hipóteses:

1. Ser um loser ou um Life-ruler é mera questão de auto-percepção.
2. Qualquer homem pode atrair qualquer mulher, e qualquer mulher pode atrair qualquer homem
3. Qualquer relacionamento tem motivação egoísta à priori .
4. Não é possível determinar a posição e o momentum de um nerd simultaneamente.

(A quarta hipótese não é basal para a teoria, nem será discutida aqui)

Por que assumir essas hipóteses como verdadeiras?

Todas são obtidas pela mais simples, porém rigorosa, observação. (1) e (2) estão intimamente ligadas e são facilmente verificáveis. Para (2), basta notar a quantidade considerável de casais absolutamente improváveis que estão juntos e felizes. (1) é a condição necessária de (2), pois é o que permite que o sujeito mais bizarro possa se relacionar com outro indivíduo de sexo oposto. (3) é dedutível pela própria natureza humana, em sua busca inconsequente por prazer e fuga da dor.

Em que elas implicam?

I. Desenvolvendo (1), temos que não existem Life-rulers ou losers como naturezas inatas, ou mesmo como resultado da combinação de fatores da personalidade. Life-rulers são Life-rulers porque eles se acham Life-rulers e consequentemente agem como tal. O mesmo vale para losers.
Qual a grande diferença entre um life-ruler e um loser? É que o segundo tem medo. Ele tem medo de levar um fora, de não agradar alguém que acabou de conhecer, de virar piada. O loser é um medroso porque se acha um loser. Ele fica sentado no canto da festa porque acredita que, por ser loser, vai levar um "não" da garota que ele quer chamar pra dançar. Obviamente, o pensamento deste loser desconsidera que o resultado de não chamá-la é igual ao de levar um fora: Ficar triste e sozinho.

Esse medo é ainda mais crítico para os garotos, levando em consideração o papel de "caçador" que a natureza e a sociedade nos deram. Não vou entrar agora na Teoria especial da masculinidade, mas é importante destacar que pela minha teoria é muito importante que o homem seja seguro de si. Nisso, mulheres são como os Bullies: sentem o cheiro do medo. Então ser um Life-Ruler, pela TQR, pode ser simbolizado tanto por partir pra cima do grandalhão que rouba seu lanche quanto tomar a iniciativa de chamar aquela menininha ruiva, de quem você gosta, pra sair. É o bastante conhecido Efeito Blitzkreig, a chance de um resultado positivo é inversamente proporcional ao tempo que você leva para atacar e que o alvo tem para pensar.

E loser é o cara que assistiu comédias românticas demais.

II. A hipótese (2) é provavelmente a mais difícil de engolir, porém é a mais fácil de verificar. Existem duas situações que fazem uma pessoa 'X' ser atraida por uma pessoa 'Y':

a) A pessoa X corresponde ao que Y procura;
b) A pessoa X atrai Y por motivos completamente misteriosos e irracionais (amor?)

Essa sistemática já foi anteriormente apresentada aqui. Porém é necessário adicionar que a) é bem mais flexível do que parece. Qualquer pessoa corresponde ao que qualquer outra procura, só que na maioria das vezes as características que Y procura não estão em X na proporção "suficiente". Para chamar a atenção de Y, X pode, teoricamente, procurar mostrar que tem qualidades desejáveis que compensam as que ele não tem. É o já estudado Paradigma do mando de campo. Segundo ele, se você levar o "jogo" para um campo conhecido, onde você tem a vantagem, suas chances aumentarão sensivelmente.

É daí que saem frases como: "Ele não é muuuito bonito, mas é legal e engraçado!" ou "Ela não é muito inteligente, mas é linda!".
Vejam que essa hipótese está intimamente ligada com a hipótese (1), porque para colocá-la em prática, o pesquisador precisa assumir que tem alguma qualidade que pode ser potencializada de maneira a torná-lo notável.

Mas porque é necessário agradar a outra pessoa? Porque é preciso se apresentar como alguém desejável?

Por causa da hipótese (3).

III. Todo relacionamento é egoísta. Isso significa que a razão mais primordial de um relacionamento e satisfazer a si mesmo. Isso vale para TODOS. Quando você vai atrás de alguém é porque acha que aquela pessoa te fará bem. Mesmo que você pratique total desprendimento, se sacrifique por ela, coloque-a como centro do seu mundo, no fim das contas você fará tudo isso para ter ao seu lado alguém que você acredita ser o melhor.

Mais uma vez isso é difícil de aceitar, afinal é comum ver pessoas se submetendo à outras que não dão nada em troca. Mas isso explica-se pelo fato de que nem sempre o que se espera, inconscientemente, é amor e carinho. Muitas vezes, e no caso isso é mais comum com as mulheres, o que te atrai é o status, por exemplo, que aquela pessoa pode te trazer. Não me entendam mal nesse ponto. Não disse que garotas são interesseiras. Isso é simplesmente parte da natureza humana, serve perfeitamente para homens também.

Considerações especiais da TQR

Paradoxo do Amigay: O amigay é alguém que recebe grande estima, que é visto como um apoio para qualquer momento difícil e que parece te entender profundamente. Porém ele não é seriamente cogitado para um namoro por algum motivo que não cabe na lógica masculina. Particularmente, suspeito que talvez haja um erro cronológico em nossas análises. Talvez o amigay seja escolhido como amigay justamente por não ser cogitado para namoro.

Paradoxo da ilusão de liberdade: Qualquer força externa que atue sobre um relacionamento em desenvolvimento tem grandes chances de alterar os resultados significativamente. Essa força deve vir sob a forma de vários amigos(as) encorajando ou desestimulando o relacionamento. A pessoa provavelmente fará o oposto do que os indivíduos a sua volta lhe aconselham. Fará isso como forma de afirmar interiormente sua liberdade. O mesmo vale para casos em que o outro pólo do relacionamento apresenta-se como escolha única, completa e indiscutível. Ela será sumariamente descartada, isso ocorre porque todo ser humano sente a necessidade de afirmar todas as suas escolhas como sendo livres e independentes. O que não é, de modo algum, ruim em todas as situações. É simplesmente o que acontece quando Deus joga seus dados. (;P)

Princípio da incerteza: Esse princípio é completamente independente da teoria em si e foi formulado (ou melhor, expresso) pelo Dr. Sheldon Cooper, embora este humilde teórico já venha guiando seus estudos por ele a um bom tempo. Segundo esse princípio, todo relacionamento que tenha carga razoável de sentimento deve ser tentado, mesmo verificando-se a ocorrência de um alto número de fatores que possam torná-lo inviável. Isso se justifica pelo mesmo motivo que aquele nerd tem que convidar a ruivinha pra sair. Um resultado positivo trará recompensas muito mais significativas que os prejuízos advindos de um resultado negativo (que terão pouca diferença do resultado de não-agir).

Conclusão

Nossa teoria implica que qualquer mudança de atitude no sentido de gostar automaticamente de quem gosta de você seria completamente inviável [pela hipótese (3)] e inefetiva, já que eventualmente surgiriam indeterminações.

Devo lembrar que este documento insere-se completamente no campo da Física teórica do amor. Portanto é possível que nada do que foi defendido seja experimentável no mundo real. Ou não. Tendo isso em mente, lanço a última consideração:
Corolário de Bo, the sheep: Quanto menos tempo você gastar se preocupando com relacionamentos, mais tempo vai ter para conseguir algum!

Frase do dia: "Toda sentença que eu digo deve ser entendida não como uma afirmação, mas como um pergunta." - Niels Bohr

11 comentários:

Comentador Fiel disse...

Creio que o senhor esteja lendo Focault e assistindo filmes como The Secret e levando a sério as baboseiras que são ditas lá.

de fato a situação de que o loser vira life ruler está prevista na minha teoria. Apesar que não concordo que pura força de vontade é o suficiente.

Como está previsto, ninguém é loser ou life ruler completo, de modo que todos tem alguma característica importante que pode ser exarcebada por esforço. Porém, não se pode adquirir características inatas.

"Particularmente, suspeito que talvez haja um erro cronológico em nossas análises. Talvez o amigay seja escolhido como amigay justamente por não ser cogitado para namoro."

concordamos nesse ponto.

"Um resultado positivo trará recompensas muito mais significativas que os prejuízos advindos de um resultado negativo (que terão pouca diferença do resultado de não-agir)."

o Dr. Daniel tem uma consideração interessante sobre isso, na sua aplicação do gato de Schrödinger aos relacionamentos. Ele acredita que enquanto você não se declara, você é ao mesmo tempo namorado e amigay da cocota.

enfim, uma boa teoria, mas com exceção do fato de ser loser e life ruler depender de uma auto-imagem, nós concordamos em todos os demais pontos.

Ass: Gustav von Jhering

Nanda disse...

Huhauahuhaha, estou amando essa onda blogueira de teorias!
Apesar de eu ser totalmente contra teorizar algo que não pode ser teorizado, entendo perfeitamente que isso seja, em parte, uma grande brincadeira.

Ótimo post, Johnzito.
Por onde vc anda? =p

Agora....

"Para (2), basta notar a quantidade considerável de casais absolutamente improváveis que estão juntos e felizes."
Tipo quem? Ana e Othon? Nana e Gui? Angélica e Luciano Huck? Huhauhauha, eu sei que esses casais improváveis existem, só não consigo me lembrar de nenhum!

"Muitas vezes, e no caso isso é mais comum com as mulheres, o que te atrai é o status, por exemplo, que aquela pessoa pode te trazer. Não me entendam mal nesse ponto. Não disse que garotas são interesseiras. Isso é simplesmente parte da natureza humana, serve perfeitamente para homens também."
Não sei pq, mas sinto q isso foi uma indireta pra mim. =/
Ai, ai.

Beeeeeeeeeeeeeeeeeijo.

Comentador Fiel disse...

REVELAÇÃO!!!!!

Fernanda maria-gasolina/chuteira/baqueta/guitarra/dinheiro?

Fica aí a dúvida!

Bru. disse...

Pronto falou tudo, e tive que ficar do seu lado em todos os tópicos!
Cara se você se acha um loser você é um, ponto final.

Fabi disse...

aah, bru falou tudo.

Rábula disse...

Pára ou, feiura. Relacionamentos não se teorizam. Se assim o fossem perderiam sua mágica. Seria péssimo jogar na fórmula e sair o resultado. E se tivesse como antever o resultado eu jamais gostaria de saber.

Sendo impessoal, o que você escreveu faz sentido. Mas sei lá... falando desse jeito você parece um professor de física virgem, aos 80 anos de idade.

Rábula disse...

"Todas são obtidas pela mais simples, porém rigorosa, observação."

Pegue o mesmo número de pessoas que participaram da Revolução Francesa e tente reproduzí-la num laboratório. Observação não serve com sentimentos. Cada pessoa terá uma reação diferente ao mesmo estímulo.


"1. Ser um loser ou um Life-ruler é mera questão de auto-percepção."

Concordo!!!

Comentador Fiel disse...

Até o Jonh discordou da teoria de que isso é auto-percepção. HOJE!

A teoria do John se baseia na fé, a minha na angústia. Talvez daí saiam resultados tão diferentes.

John, O Lobo disse...

Eu discordei disso???
Nego! Afirmo minha teoria.

Rábula disse...

hahahahaha
olhem o jogo de intrigas...
EUA x URSS

quem saberá a verdade? ó céus!!!

Bru. disse...

hauuhauhauauha
John 1x0 Gustavo!

PS: te amo champzzzzz ahuahuahau, não fica bravo!